2014 - Vamos aprender a tocar um Cordofone

Como sempre esta página não pretende ser um Professor de Música (a minha arte não dá para tanto) mas sim, dar uma ajuda a quem não tem dinheiro para aprender ou não existem professores de música “à mão de semear".

A pergunta mais frequente que me fazem é: ainda tenho idade para aprender a tocar? A resposta é sempre a mesma:

Trinta segundos antes do médico passar a certidão de óbito.

Como é lógico Portugal devia dar importância à (mas não há) Educação Musical das crianças. Ficamos sempre à espera de um Ministro ou Secretário que seja músico! Com ou sem democracia, a música não tem um lugar de relevo na educação das crianças, excepto em instrumentos redondos, que se tocam com os pés. Se “os importantes” não fazem nada, temos nós que fazer. Os pais podem comprar menos “consolas” de matar marcianos e dar a oportunidade às crianças de aprenderem a tocar um instrumento musical. Mas afinal de quem é a culpa? Os governantes são nossos empregados e não patrões. Mas se temos cabeça… não é só para usar um boné com a pala para trás. Pondere sobre o assunto e tome a suas decisões.

Quando não nos é dada a oportunidade de aprender a tocar um instrumento musical em criança, nada melhor do que aquando da reforma, meter mãos à obra e começar o que já devia ter começado há muitos anos: aprender a tocar o nosso instrumento preferido.

Primeiro responda a si próprio às seguintes perguntas:


1- Já manda na sua vontade ou ainda não?

2 - Qual o instrumento que gostava de aprender a tocar?

3 - Qual é o tamanho da sua bolsa para comprar o instrumento pretendido?

4 - Quer mesmo aprender ou desiste com facilidade?

5 - Tem um espaço em sua casa onde pode treinar sem incomodar e não ser incomodado?

Tem na minha página várias ajudas para os Cordofones portugueses. Pode tirar o que quiser que não paga nada, nem tem de se registar ou identificar. Gostar de música é sentir o prazer de tocar um instrumento musical.

Já imaginou ir a um restaurante para “ver comer”? Se precisar de ajuda não incomoda. O pouco que sei está sempre à sua disposição. Se quer aprender a tocar um instrumento musical não desista. Nunca é tarde para aprender. Vai ver que não se arrepende, quando por magia o som começar a sair do seu novo amigo. Depois o prazer que vai sentir quando animar uma festa

 Se quer mesmo aprender a tocar vamos às respostas das perguntas que lhe coloquei.

1 - Já manda na sua vontade ou ainda não?

Os maiores inimigos da aprendizagem são as pessoas com quem convivemos. As frases são sempre as mesmas: Não tocas nada só fazes barulho. Não sabes tocar outra coisa? Já não te posso ouvir. Todos os músicos passam por essa fase. Seja dono da sua vontade e não deixe que os outros o façam desistir.

2 – Qual o instrumento que gostava de aprender a tocar?

Esta página é dedicada aos Cordofones portugueses. Mas se não são estes os instrumentos eleitos a internet dá-lhe uma ajuda em muitos outros. Nunca esquecer de que um professor de música é sempre o ideal. Criar vícios na aprendizagem atrasa a sua evolução como músico. Aprenda um pouco de Teoria Musical. Ao princípio é "Chato" mas depois vai sentir que lhe presta um grande serviço nos seus estudos. Mas se não há professor aprenda sozinho ou com alguém que saiba mais um pouco. Se não sabe fazer um ovo estrelado e tiver alguém que lhe ensine, não implica que o seu mestre seja um Chefe de Cozinha

3 – Qual é o tamanho da sua bolsa para comprar o instrumento?

Esta página "puxa a sardinha" aos Cordofones, como o Cavaquinho, Bandolim ou a Guitarra Portuguesa. Comprar um instrumento não passa só por ter dinheiro. Se não sabe nada do assunto leve consigo um músico para o ajudar na escolha. Estou só a falar no masculino, mas como é lógico as senhoras têm o mesma importância. É apenas o facilitar de escrita, para não passar a escrever palavras a terminar em "o" ou "a". Nem sempre um instrumento caro é um bom instrumento. Se o instrumento afina bem e tem uma escala macia (para não lhe magoar os dedos) são dois elementos a ter em conta e importantes na sua escolha. Se puder... não compre instrumentos por fotografia. Comprar sem experimentar não é boa escolha. Se optar pela compra de um instrumento usado, tenha em conta de que as reparações são caras. Muitas são as pessoas que pensam que só porque o instrumento tem muitos anos vale uma fortuna. Não é verdade. Pode ter interesse para coleccionadores (mas não existem muitos) e a lei da vida é sempre a mesma. Se não precisa de vender o instrumento vale aquilo que entender. Se precisa de dinheiro... há sempre quem se aproveite da miséria alheia.   

4 - Quer mesmo aprender ou desiste com facilidade?

Já pensou que quando abre uma torneira e gasta o precioso líquido, o trabalho que isso dá? O ser humano cada vez está mais dependente do avanço tecnológico. Gostar de tocar um instrumento é uma coisa, ter vontade de o aprender é outra. Dá trabalho. Se não gosta de trabalhar e prefere viver dos rendimentos, não existem (que eu saiba) nas farmácias medicamentos milagrosos que tomados diariamente o façam aprender a tocar o instrumento da sua escolha. Tocar todos os dias é a receita ideal. Não tenha pressa, com o treino diário vai ver resultados positivos passado algum tempo. Não se esqueça de que no início o som do instrumento soa sempre a "miar de gatos". Todos passamos por essa fase. Depois o Gato passa a passarinho, que já tem um chilrear mais melodioso. Finalmente começamos a sentir o prazer de tocar e passamos a partilhá-lo com os nossos amigos ou em festas. Não desista do seu sonho. Vai ver que valeu as horas gastas na aprendizagem.

5 - Tem um espaço em sua casa onde pode treinar sem incomodar e não ser incomodado?

Começar a tirar som dum instrumento musical é sempre difícil. Depois são os outros que "gozam" com o barulho que fazemos. Há sempre alguém que diz a célebre frase: vê-se mesmo que não tens queda para a música. Responda na mesma moeda: antes de aprender a andar caí muitas vezes! Encontre em sua casa um local sossegado onde possa ensaiar. Enquanto não tiver seguro das suas músicas não as mostre a ninguém. Sabe... a inveja é terrível.

E agora mãos à obra, que o Sol ainda vai alto e o burrito anda bem.

Um abraço

José Lúcio Ribeiro de Almeida